MITOS E VERDADES SOBRE O MINERAL SÓDIO

MITOS E VERDADES SOBRE O MINERAL SÓDIO

O sódio é o principal eletrólito do fluido extracelular e tem ação na manutenção do volume e da osmolaridade. Cerca de 95% do total de sódio do corpo situa-se no fluido extracelular. Este mineral também colabora para a manutenção do equilíbrio ácido-básico e absorção de nutrientes. Estas funções são fundamentais para a contração muscular e transmissão nervosa.

FONTES DE SÓDIO

A principal fonte de sódio para o organismo ocorre via alimentação. O cloreto de sódio, também conhecido como sal de cozinha, é constituído por 40% de sódio. Este composto é utilizado no processamento de alimentos, em preparações industrializadas e também acrescentado no preparo das refeições. Além disso, aproximadamente 10% do total de sódio ingerido está naturalmente nos alimentos, como por exemplo, carnes, leite e ovos. Vale lembrar que os alimentos processados e ultraprocessados também são grandes fontes deste mineral.

DEFICIÊNCIA DE SÓDIO

A deficiência do sódio não é frequente na população, visto que o mesmo é facilmente encontrado nos alimentos e as nossas necessidades diárias são baixas. Entretanto, a deficiência pode ser encontrada em indivíduos que fazem o uso de medicamentos diuréticos, em atletas que praticam exercícios físicos intensos em ambientes quentes e até mesmo em trabalhadores de obras, pedreiros e etc.. As manifestações mais importantes da deficiência são a fadiga, a diarreia, a anorexia e a hipotensão.

EFEITOS ADVERSOS DO CONSUMO EXCESSIVO DE SAL

O principal efeito adverso do consumo exagerado de sódio é a elevação da pressão arterial, que aumenta proporcionalmente com a ingestão de cloreto de sódio. As respostas são mais acentuadas em ingestões acima de 2,3 g de sódio ao dia. Porém, há certa heterogeneidade na resposta da pressão arterial às ingestões individuais de sódio devido a fatores genéticos e à presença de hipertensão, diabetes e doença renal.

CONSUMO NO BRASIL

Pesquisas indicam que o consumo de sódio no Brasil ultrapassa o limite da recomendação, beirando 12 sachês de 1g de sal ao dia, ou seja, mais que o dobro da recomendação adequada (5 sachês de 1g ao dia). Portanto, preste mais atenção na sua ingestão de sal, tenha cautela na hora de temperar os seus alimentos e reduza o consumo de alimentos industrializados.

ESTRATÉGIAS PARA REDUZIR A INGESTÃO DE SAL.

-Utilizar mais ervas aromáticas.

-Experimentar o alimento ao natural e posteriormente adicionar sal se for necessário.

-Utilizar limão e/ou vinagre para conferir acidez na preparação. O sabor ácido realça o paladar salgado.

-Não deixar o saleiro na mesa durante as refeições.

-Utilizar o sal de ervas aromáticas: Adicione o sal até a metade do recipiente. Em seguida complete o frasco com ervas aromáticas de sua preferência. Sugestão: sal, orégano, tomilho, manjericão, alho desidratado, cebola desidratada, salsa e pimenta do reino.

-Outra opção é o uso do sal light. (OBS: Paciente renal deve evitar o consumo deste produto).

Quer saber mais sobre o tema? Procure um profissional nutricionista para maiores esclarecimentos.

Tatiana Palotta Minari – CRN 50.979
*Nutricionista formada pela Universidade Federal de São Paulo/ UNIFESP.
*Mestrado em Psicologia e Saúde com ênfase em Transtornos Alimentares pela FAMERP.
*Pós-graduação em Nutrição e Suplementação esportiva: da Bioquímica e Fisiologia à Prática pela FAMERP.
*Atendimentos: 1- Clínica Estética e Nutrição; 2- Pelle Medical Center.
*Consultora de Controle de Qualidade e Segurança Alimentar para Restaurantes.

Instagram: @tatiminari_nutririopreto 
Facebook: @NutriRioPretoTatiMinari

 

REFERÊNCIAS

Bisi Molina MC, Cunha RS, Herkenhoff LF, Mill JG. Hypertension and salt intake in an urban population. Rev Saude Publica 2003;37:743-50.

Elliott P, Stamler J, Nichols R et al. Intersalt revisited: further analyses of 24 hour sodium excretion and blood pressure within and across populations. Intersalt Cooperative Research Group. Bmj 1996;312:1249-53.

IOM. Institute of Medicine. Food and Nutrition Board. Dietary Reference Intakes for Water, Potassium, Sodium, Chloride and Sulfate. Washington, D.C. National Academic Press 2004:640 p. Disponível em: http://www.nap.edu.

Sarno F, Claro RM, Levy RB, Bandoni DH, Ferreira SR, Monteiro CA. Estimated sodium intake by the Brazilian population, 2002-2003. Rev Saude Publica 2009;43:219-25

976

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × 1 =

WhatsApp Fale Conosco