TRANSTORNOS ALIMENTARES – ASPECTOS GERAIS

Atualmente o “ato de comer em si” está cada vez mais conturbado e menos valorizado. Muitas pessoas convivem com a ansiedade, com a dúvida e até mesmo o sofrimento quando querem escolher a composição de suas refeições, tanto pelo predomínio do sentimento de culpa ao ingerir determinados alimentos, quanto por excesso de comportamentos neuróticos no seguimento de dietas. Com a rotina corrida e automática, o indivíduo coloca a qualidade da sua alimentação “para escanteio”, esquecendo de que isto futuramente poderá interferir no seu maior bem: “sua saúde física e mental”.

A relação negativa com a alimentação destaca a importância de entender e discutir a respeito dos distúrbios da alimentação. Os transtornos alimentares podem incidir em um público variado, como por exemplo, homens, mulheres, adolescentes, crianças, ricos, pobres, obesos, desnutridos e etc. Vale lembrar que estamos falando de doenças psiquiátricas complexas, das quais necessitam de tratamento interdisciplinar especializado, com ações sinérgicas do psiquiatra, psicólogo e nutricionista. Os exercícios físicos também possuem um papel fundamental no manejo dos transtornos mentais e cada vez mais se destacam na literatura científica.

Os transtornos alimentares mais recorrentes são a Anorexia Nervosa, a Bulimia Nervosa e o Transtorno de Compulsão Alimentar Periódica. Existem outros tipos de transtornos alimentares, mas ocorrem em menor amplitude na prática clínica. O tratamento é individualizado, apresentando metas específicas de acordo com o quadro clínico, a gravidade, a história da doença e o tipo de transtorno do paciente. Os grupos terapêuticos também podem maximizar a recuperação do indivíduo. Na intervenção nutricional um dos principais objetivos é melhorar a relação do paciente com sua imagem corporal e com a comida.

E você aí? Se identificou com texto? Procure seu nutricionista para se informar mais a respeito! Boa semana a todos

 

REFERÊNCIA

Alvarenga, M.S., Dunker, K.L.L., Roman, E.C.B., & Philippi, S.T. (2014). Nutritional therapy for eating disorders. In: Philippi, S.T., & Alvarenga, M. Eating disorders: a nutritional view. Barueri: Manole, 26-229.

Atenciosamente,

Dra. Tatiana Palotta Minari – CRN 50.979

*Nutricionista formada pela Universidade Federal de São Paulo/ UNIFESP.

*Doutoranda em Ciências da Saúde com ênfase em Diabetes, Hipertensão, Cardiopatias e Obesidade pela FAMERP.

*Mestrado em Psicologia e Saúde com ênfase em Transtornos Alimentares pela FAMERP.

*Pós-graduação em Nutrição e Suplementação Esportiva: da Bioquímica e Fisiologia à Prática pela FAMERP.

*Atendimento: 1- Clínica Estética e Nutrição.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × dois =

WhatsApp Fale Conosco