DIETA MEDITERRÂNEA

A dieta mediterrânea é uma das intervenções dietéticas com maior nível de evidência científica, sendo composta por alimentos com alta qualidade nutricional, como por exemplo, frutas, verduras, legumes, hortaliças, oleaginosas, grãos integrais, cereais integrais, peixes, carnes magras, laticínios desnatados e azeite de oliva.

Diversos estudos epidemiológicos relataram o efeito protetor desta dieta nos distúrbios metabólicos, nas doenças crônicas e na saúde mental. Esses resultados são atribuídos às características desse padrão alimentar, tais como:

  • Consumo elevado de alimentos ricos em água e fibras (solúveis e insolúveis): contribuem para modulação da microbiota intestinal (afetam o eixo intestino-cérebro).
  • Altos níveis de antioxidantes e compostos bioativos (beta caroteno, tocoferóis, ácido ascórbico, polifenóis e antocianinas): estão associados à redução do estresse oxidativo.
  • Fontes de ácidos graxos poli-insaturados (EPA/DHA), ácidos graxos monoinsaturados, vitaminas do complexo B e minerais (zinco, selênio, magnésio, manganês, potássio e vitamina C): podem alterar a estrutura da membrana celular, reduzir processos inflamatórios e melhorar o processamento cognitivo.
  • Redução de carnes vermelhas gordas, alimentos ultraprocessados e bebidas açucaradas: maximizam o controle da inflamação.
  • Alimentos com baixo índice e carga glicêmica: contribuem para modulação do metabolismo da glicose e melhora da resistência à insulina.

O ponto chave da dieta mediterrânea seria sua ótima acessibilidade à população e boa adesão ao regimento em longo prazo. Os estudos sugerem novas estratégias inovadoras pautadas neste tipo de intervenção nutricional, sendo elas monitoradas por equipes multidisciplinares que preconizem a prescrição de planos alimentares individualizados, flexíveis e compatíveis com objetivos do paciente.

REFERÊNCIA

Hidalgo-Mora JJ, García-Vigara A, Sánchez-Sánchez ML, García-Pérez MÁ, Tarín J, Cano A. The Mediterranean diet: A historical perspective on food for health. Maturitas. 2020 Feb;132:65-69. doi: 10.1016/j.maturitas.2019.12.002. Epub 2019 Dec 3. PMID: 31883665.

#paz #nutrição #nutricionista #doencascronicas #dcnt #dietamediterranea #comida #vegetais #frutas #peixes #omega3 #nozes #castanhas #indiceglicemico #cargaglicemica #riopreto #covid #coronavirus

Atenciosamente,

Dra. Tatiana Palotta Minari – CRN 50.979

*Nutricionista formada pela Universidade Federal de São Paulo/ UNIFESP.

*Doutoranda em Ciências da Saúde com ênfase em Diabetes, Hipertensão, Cardiopatias e Obesidade pela FAMERP.

*Mestrado em Psicologia e Saúde com ênfase em Transtornos Alimentares pela FAMERP.

*Pós-graduação em Nutrição e Suplementação Esportiva: da Bioquímica e Fisiologia à Prática pela FAMERP.

*Atendimento: 1- Clínica Estética e Nutrição.

One thought on “DIETA MEDITERRÂNEA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 − 2 =

WhatsApp Fale Conosco